Versão PDF
Teoria Crítica do Esporte: origens, polêmicas, atualidade[1]

Alexandre Fernandez VAZ
(Universidade Federal de Santa Catarina - CNPq)


Os anos 1960 viram surgir a Teoria Crítica do Esporte. Esse corpo teórico criticou o esporte por suas afinidades estruturais com o mundo do trabalho, sua dimensão reificadora e sua presença os esquemas da indústria cultural. As críticas a ela dirigidas apontam exageros, falta de material empírico, ideologização e não consideração do ponto de vista dos sujeitos/atores do esporte. O objetivo do presente trabalho foi analisar esse quadro. Para isso revisou as origens e teses que constituíram aquele movimento teórico, as críticas a ele dirigidas e sua possível atualidade. As críticas acertam, em parte, ao apontar o maniqueísmo da Teoria Crítica do Esporte, mas desconsideram os avanços por ela proporcionados, fundamentais para a compreensão do esporte-espetáculo. A possível atualidade da teoria pode ser encontrada com novas abordagens metodológicas e temáticas, na abertura para o diálogo com outras perspectivas e na articulação entre reflexão crítica e pesquisa empírica.


In the decade of 1960 emerges in Social Sciences the Critical Theory of Sport. It has been very critic on sport because of its structure affinities with work, its reification processes and its position in the schemas of mass culture. The critics on this theory point extremisms, little empirical material, the ideology force and a gap in considering the speeches and representations of sport’s protagonists. The aim of this paper is to analyze these processes. In this sense, it reviews the origins and main thesis of that theoretical movement, the critics on it and its possibly actuality. The critics are partly right when they observe some rigid thinking in Critical Theory of Sport, but many of that don’t take in grant the its advances on comprehension of sport spectacle. The actuality of the theory can be found in new methodological approaches and themes, in opening of dialogue with other perspectives and in links between critic reflections an empirical research.
Keywords: Critical Theory of Sport; Frankfurt School; Critical Theory of Society; Rigauer, Bero; Brohm, Jean-Marie.


1. Introdução
Em 1969, em um dos ápices dos conflitos estudantis que em grande medida deram a forma dos anos sessenta, o filósofo Theodor W. Adorno, um dos mais importantes personagens da conhecida Escola de Frankfurt, foi perguntado se o mundo havia repentinamente ficado às avessas (Adorno 1997a). A pergunta não era fora de propósito, uma vez que Adorno acabara de suspender prematuramente seu seminário no semestre de verão na Universidade de Frankfurt por conta de manifestações de parte do movimento contracultural estudantil. Inusitada, ou talvez nem tanto, foi a resposta de Adorno. Para ele não havia assombro perante as manifestações estudantis, uma vez que o real já era mesmo eivado de contradições.

Os anos sessenta do século passado ficaram demarcados na história do breve século vinte como um período de importantes transformações sócio-culturais, fruto dos embates do sessenta e oito em vários países, entre eles a Guerra do Vietnã e as manifestações contra ela, e a Guerra Fria que teve naquela década o seu ápice com a crise dos mísseis em Cuba.

O esporte não esteve longe desse espectro. Ao contrário, foi uma das mais fortes expressões da Guerra Fria travada entre as duas superpotências de então, tanto de forma direta entre si, quanto indireta pelos países que compunham seus blocos de força. Muito em função dessa disputa, o treinamento desportivo desenvolveu-se de forma espantosa, levando os resultados a patamares não imaginados e também a um incremento maciço dos procedimentos de doping. Correspondente a esta tecnologização da performance foi a reprodução e disseminação das imagens esportivas, que possibilitaram às décadas posteriores o crescente investimento na transmissão em tempo real dos espetáculos esportivos.

É também na década de 1960 que se desenvolve, no contexto da Nova Esquerda, um movimento teórico nas Ciências Sociais que fiou conhecido como Teoria Crítica do Esporte. Nascido principalmente na Europa, mas presente também na América do Norte, tomou o esporte como tema de pesquisa, análise e reflexão, valendo-se de um aparato teórico da crítica da cultura e da economia política. Vários autores desse período e também da década seguinte ousaram fazer algo até certo ponto surpreendente: colocar em questão o esporte e suas possibilidades de aparecer como um elemento positivo do ponto de vista pedagógico e social.

Ao tomar as práticas esportivas como objeto de análise, aqueles autores não estavam fazendo algo propriamente novo, uma vez que pelo menos desde a década de vinte já se tinha, a partir do trabalho de Risse (1979), publicado pela primeira vez em 1921, uma preocupação no estudo do esporte como fenômeno social. Mas, de qualquer forma, o esporte e sua aura de "pureza" oriunda do ideal olímpico permaneciam quase inquestionáveis como fenômenos positivos para as sociedades modernas. A exceção ficara por conta de parte do movimento operário dos anos vinte e trinta e de ensaios esporádicos como o de Jürgen Habermas (1967), no qual o depois famoso criador da Teoria da ação comunicativa mostrava, nos anos 1950, as afinidades entre o esporte e o trabalho e, por meio delas, os limites e contradições do chamado "tempo livre". As contribuições de Habermas, aliás, foram muito importantes para o desenvolvimento da Teoria Crítica do Esporte.

Meu objetivo no presente texto é fazer alguns comentários sobre a Teoria Crítica do Esporte, retomando elementos de suas origens e desdobramentos, comentando alguns dos seus autores e as críticas que a eles foram endereçadas. Faço isso evidentemente privilegiando alguns recortes, uma vez que o tema é por demais amplo. Minhas opções se referem aos pontos centrais que caracterizam a Teoria Crítica do Esporte, as críticas que a ela foram dirigidas e seus possíveis desdobramentos atuais, tentando verificar o que está datado (e, portanto, superado) e o que porventura sobrevive e/ou se transforma nesse movimento teórico.

Começo minha exposição apresentando algumas teses do movimento, mas antes realizo uma rápida incursão nas diferenças entre ele e a posição do socialismo de caserna a respeito do esporte. Faço isso para demarcar uma posição fundamental da Nova Esquerda, que foi muito dura e pouco condescendente com o esporte e sua ideologia tal como foram praticado e difundida no Leste Europeu, na China, em Cuba e em outros países que compuseram o "socialismo real". Logo depois trato de algumas idéias centrais desse movimento teórico, expondo e discutindo a seguir algumas críticas que a ele foram dirigidas, tanto de um ponto de vista mais conservador, principalmente Hans Lenk, quanto de sociólogos figuracionais, sobretudo Eric Dunning, e teóricos da América do Norte, como Richard Grueneau. Por fim, procuro colocar alguns pontos que possam permitir um desdobramento conseqüente da Teoria Crítica do Esporte em nosso tempo[2].

2. Do que e de onde estavam falando os críticos do esporte da Nova Esquerda?
O que diferenciava decisivamente os então novos teóricos críticos do esporte de seus antecessores de décadas anteriores é que aqueles não colocavam em jogo apenas o esporte tal como os "capitalistas" e "aristocratas" o realizavam. Não propuseram, por exemplo, Jogos Olímpicos dos Trabalhadores, como as associações obreiras haviam feito e levado em frente. Não era o esporte de tipo "burguês" que deveria ser criticado, mas o esporte em si mesmo, como uma expressão da sociedade burguesa. É nesse quadro que se diferenciam também as críticas desse grupo em relação ao esporte praticado no "socialismo real".

Como se sabe, o esporte de alto rendimento alcançou um desenvolvimento tremendo em vários países que compunham o Pacto de Varsóvia, liderados pela extinta União Soviética. Segundo John Hoberman (1992) é um mito dizer que as performances de atletas daqueles países estiveram vinculadas apenas a um uso miraculoso de substâncias consideradas doping, algo bastante propalado pela imprensa esportiva ocidental. De qualquer forma, a própria presença desta discussão nos leva a observar o grande investimento em recursos humanos, financeiros e materiais destinados à melhoria da performance esportiva em países do Leste Europeu e da Ásia. Os resultados alcançados, mesmo depois do declínio do Império Soviético, atestam o fato. A vinculação do esporte com o desenvolvimento científico e tecnológico ajuda a compor esse quadro, uma vez que aqueles países se destacaram - e ainda se destacam - em áreas nas quais o conhecimento das "ciências duras" é fundamental, como é o caso da pesquisa espacial que tem, diga-se de passagem, forte vinculação nos países do leste, assim como acontece com o esporte, com o mundo militar.

Os países do Pacto de Varsóvia faziam uma encarniçada defesa do ideário olímpico, tendo sido este, provavelmente, o maior obstáculo para a admissão algo tardia dos atletas profissionais nas Olimpíadas. Os países do leste eram grandes defensores da pedagogia do esporte, tanto de seu potencial para o desenvolvimento pessoal quanto da celebração da equidade entre os povos. Foram ainda os maiores críticos do esporte no Ocidente, não raro classificando-o de traidor do ideal olímpico. Essa pedagogia deveria ser capaz de promover:

"(...) a educação político-ideológica dos atletas no sentido do Marxismo-leninismo para personalidades socialistas no pensamento e na ação, que estejam convencidas da correspondente vitória do socialismo no mundo todo, que mostre claramente a imutável agressividade do imperialismo e promovam a coexistência fraterna da comunidade internacional que se compõe de países sob diferentes organizações sociais. (...) [Além disso] A formação esportiva deve ser uma parte fundamental da educação político-ideológica. Treinadores e funcionários têm a obrigação de, sempre que necessário, esclarecer a política esportiva das federações esportivas e de ginástica alemãs. Em ofensivo contraponto está colocada a integração esportiva na República Federal da Alemanha, na qual o sistema de dominação do capital monopolista e a violação do esporte e dos Jogos Olímpicos por meio do imperialismo alemão devem ser desmascarados." (Schmolinsky 1977: 36-37) [3].

Ora, deste tipo de posição a Teoria Crítica do Esporte afastou-se desde sempre. Para ela tratava-se de questionar o esporte de alto rendimento e de espetáculo em sua inteireza, considerando que os ideais olímpicos constituíam um engodo para reforçar as condições de dominação impostas tanto às classes subalternas quanto, de um ponto de vista mais particular, ao corpo. É por isso que fazia sentido a crítica ao esporte praticado no "socialismo real" (Rigauer 1969; Brohm 1976).

"Sobrevivem em ambos Estados alemães duas características que marcaram o esporte no Nacional-Socialismo. [Uma delas é]: O treinamento desportivo e a Educação Física permanecem como formas de educação autoritária. Em seus livros lê-se que: ‘Os estudantes devem aprender a seguir as ordens do professor sem que seja necessário esperar por esclarecimentos sobre seu sentido. Uma criança não pode, em princípio, tudo compreender (...); em segundo lugar, há várias situações nas quais não há, por conta de alguma periculosidade, tempo para esclarecimentos. A submissão é por isso fundamental.’ " (Rigauer 1969: 80).

O pequeno trecho acima deixa claro por que a defesa estatal do esporte era criticada: ela educaria para a submissão e para o comportamento autoritário (Rigauer 1969; Brohm 1976, 1989), base para a estrutura nacional-socialista. Também no leste a "democratização esportiva", defendida pelos partidos comunistas do ocidente, deveria ser criticada junto com o esporte em si mesmo, que seria uma expressão da sociedade capitalista.

Se por um lado o socialismo de caserna não oferecia uma alternativa de fato transformadora em relação à ordem econômico-social capitalista, os críticos do esporte buscaram no Marxismo Ocidental uma alternativa. Não foi por acaso que vários deles, como Jean-Marie Brohm (1989), opuseram-se fortemente aos partidos comunistas e suas estratégias de angariar aficionados e "organizar" os trabalhadores por meio do esporte. Que se registre aqui que o esporte foi sempre um tema importante para intelectuais como Bertold Brecht e que os partidos comunistas se notabilizam por ocupar estruturas governamentais relacionadas ao esporte[4].

Esse espectro, aliado ao então passado recente, ainda por perlaborar, que mantinha vivo na memória os Jogos Olímpicos de 1936, e mais a posição da Escola de Frankfurt na cultura acadêmica, fez gerar a equação necessária para o surgimento da Teoria Crítica do Esporte.

Talvez seja necessário fazer dois comentários sobre esses dois últimos itens que compõem o quadro que faz surgir, com mais veemência, a crítica radical às práticas esportivas. As Olimpíadas de 1936 já estavam programadas para Berlim quando Hitler assumiu o poder como Chanceler do Reich, em 1933, assim como a construção do Estádio Olímpico já estava em curso. Diz a indústria cultural contemporânea que os Jogos teriam sido uma traição aos ideais olímpicos. Isso é algo que precisa ser questionado, uma vez que os documentos centrais do espetáculo - com destaque para o projeto cinematográfico de Leni Riefensthal - indicam uma restauração do ideário neoclássico, retomando e atualizando elementos mitológicos travestidos no atleta, no homem e na mulher arianos. Faz sentido, portanto, a associação entre os Jogos Olímpicos de Berlim e a gênese e estrutura do esporte contemporâneo. Por outro lado, é fato que nos anos sessenta os frankfurtianos alcançaram uma popularidade impressionante na República Federal da Alemanha, tornando-se figuras públicas muito além dos limites da vida universitária. Vários dos clássicos da Escola de Frankfurt, que tinham suas edições esgotadas, circulavam entre os estudantes em edições pirata (Raubdrücken), provocando, com isso, sucessivas reedições de livros de Adorno e Horkheimer, principalmente de Dialética do esclarecimento. É nesse contexto que surge e se desenvolve a Teoria Crítica do Esporte.

3. Algumas teses da Teoria Crítica do Esporte
No início dos anos noventa Bero Rigauer (1992) escreveu um pequeno conto no qual narra um hipotético encontro entre Theodor W. Adorno e o escritor Robert Musil em um Café na cidade de Viena, em 1925. Naquele ano Adorno vivia na cidade, estudando piano e composição. Ambos conversavam sobre esporte, dando prosseguimento a um diálogo iniciado poucos dias antes em uma vernissage. Adorno narra suas experiências desagradáveis nas aulas de ginástica, nas quais a violência corporal teria um papel central. Ele agrega a seu relato o esporte, que seria uma manifestação humana arcaica, configurando, nos grandes espetáculos, uma expressão da degradação do coletivismo das manifestações de massa. Musil, por sua vez, argumenta que Adorno usa os óculos distorcidos pelo distanciamento das práticas esportivas. Mas Adorno insiste dizendo que o esporte pertence ao mundo da não-liberdade, que os espectadores esportivos teriam comportamento regressivo. Além disso, a prática esportiva faria cada um deixar-se encadear pela lógica da maquinaria.

O encontro e diálogo hipotéticos tomam como tema, na verdade, as assertivas de Adorno em seu ensaio sobre Thorstein Veblen (Adorno 1997b)[5], no qual ele faz algumas considerações sobre o esporte, levando em conta o que o segundo havia escrito sobre o mesmo tema. O ensaio não é citado ao acaso, mas sim porque foi, de fato, quase que um leitmotiv da Nova Esquerda[6] , cujo principal representante ainda hoje é o mesmo Bero Rigauer.

Os teóricos da Nova Esquerda foram freqüentemente relacionados com a Escola de Frankfurt, o que foi feito não sem razão, uma vez que não apenas os trabalhos, mas até certo ponto o espírito das obras de Horkheimer, Adorno e Marcuse animou a Teoria Crítica do Esporte. Bero Rigauer, Jean-Marie Brohm e outros tomaram a Escola de Frankfurt - muitas vezes de maneira seletiva e parcial e ainda coligada com outros autores da tradição de esquerda - para a formação do movimento teórico que desenvolveram. Quando lemos os trabalhos desses autores, encontramos, com grande freqüência, temas e citações dos frankfurtianos, entre eles a crítica da ideologia e da cultura[7] (indústria cultural) e, naturalmente, o processo de mecanização do corpo.

Os trabalhos da Teoria Crítica do Esporte e as teses que desenvolveram, principalmente os de Rigauer e Brohm - mas também os de Vinnai (1970, 1974) - tiveram uma grande repercussão não apenas na Europa, mas também na América do Norte e em países latino-americanos. No Brasil, por exemplo, as idéias críticas em relação ao esporte chegaram vinculadas à resistência ao nosso mais recente período ditatorial, já no final dos governos militares. Em grande parte vieram associadas à renovação dos discursos educacionais que pretendiam superar o tenicismo pedagógico e encontraram um lugar fértil em uma área de conhecimento que no final dos anos setenta e início dos oitenta dava seus primeiros passos acadêmicos, a Educação Física[8]. É curioso que no caso brasileiro esse corpo teórico tenha encontrado, ao contrário de outros países, mais espaço na Educação Física do que nas Ciências Sociais. Lembremos que justo nos anos oitenta começava a se consolidar uma outra perspectiva que, entre nós, procurava compreender o esporte na sociedade brasileira e que instituiu uma tradição na forma de analisá-lo nos marcos das Ciências Sociais. Refiro-me, como é evidente, aos trabalhos de Roberto DaMatta[9].

A tese central de Rigauer diz que o esporte e o trabalho "estruturam-se no mesmo esquema de ação." (Rigauer 1969: 11; Brohm 1989: 71):

"O esporte não é um sistema à parte, mas de diversas formas interligado com o desenvolvimento social, cuja origem está na sociedade burguesa e capitalista. Embora constitua um espaço específico de ação social, o esporte permanece em interdependência com a totalidade do processo social, que o impregna com suas marcas fundamentais: disciplina, autoridade, competição, rendimento, racionalidade instrumental, organização administrativa, burocratização, apenas para citar alguns elementos. Na sociedade industrial, formas específicas de trabalho e produção tornaram-se tão dominantes como modelo, que até o chamado tempo livre influenciaram normativamente (...)." (Rigauer 1969: 7).

Rigauer retoma aqui a tese do já citado trabalho de Jürgen Habermas, que demonstrara não apenas a relação entre trabalho e tempo livre, mas a afinidade estrutural que entre ambos haveria. Da mesma forma haviam asseverado Horkheimer e Adorno (1997: 166-167), na Dialética do esclarecimento, que o tempo livre não seria apenas uma preparação para o trabalho, mas uma forma de, no mesmo contexto, controle da consciência:

"Quanto mais firmes as posições da indústria cultural se tornam, mais ela pode objetivamente relacionar-se com as necessidades dos consumidores, produzindo-as, governando-as, disciplinando-as, mobilizando a diversão: ao progresso cultural não se coloca barreiras. (...) A afinidade original entre sociedade e divertimento, mostra-se, no entanto, em seu próprio sentido: a apologia da sociedade. Divertir-se significa estar de acordo. (...) Divertir-se significa, acima de tudo: não dever refletir, esquecer o sofrimento, ainda onde ele esteja claro."

A semelhança estrutural entre esporte e trabalho mostrar-se-ia de diferentes formas, sendo uma das mais importantes a que se refere à mecanização do movimento humano. Até mesmo a linguagem esportiva, diz Brohm, estaria dominada pela tecnologia e pela maquinaria. Rendimento, método, burocratização e racionalização determinariam as duas esferas que permaneceriam interligadas. Todo esse processo limitaria a espontaneidade, uma vez que de jogo pouco se encontraria no esporte, ao contrário do que propaga o rolo compressor ideológico (Rigauer 1969; Brohm 1989).

O caráter ideológico do esporte estaria ainda no fato de ele ajudar a consolidar o rendimento como o critério central da sociedade contemporânea, mas também porque suporia uma unidade idealista entre corpo e espírito. Também no contexto escolar o esporte manteria seu caráter ideológico, já que, como no Nacional-socialismo, estaria a serviço dos interesses do Estado (Rigauer 1969).

A função ideológica do esporte foi sintetizada da seguinte forma por Brohm:
1. O esporte é um aparelho ideológico do Estado que cumpre um triplo papel: reproduz ideologicamente as relações sociais burguesas, tais como hierarquia, subserviência, obediência, etc.; em segundo lugar ele propaga uma ideologia organizacional específica para a instituição esportiva, envolvendo competição, recordes e outputs; em terceiro lugar ele transmite, me larga escala, os temas universais da ideologia burguesa, como o mito do super-homem, individualismo, ascensão social, sucesso, eficiência, etc.
2. O esporte é uma cristalização ideológica da competição permanente, que é representada como "preparação para as asperezas da vida."
3. O esporte é uma ideologia baseada no mito do progresso infinito e linear, como se expressa na curva dos recordes.
4. Finalmente, o esporte é a ideologia do corpo-máquina - o corpo torna-se um robô, alienado pelo trabalho capitalista. O esporte baseia-se na fantasia do ser "fit", do corpo produtivo.

Associada à questão da ideologia estaria o caráter de mercadoria do esporte. Aliás, a demarcação ideológica se mostraria no fato de que todos os fenômenos sociais podem tornar-se, na sociedade capitalista, mercadoria. Seria o caso do esporte-espetáculo, quando público e atletas, frente a frente, representariam o consumidor e o produtor mediados pelo manager (Rigauer 1969, 1979; Vinnai 1970). "O rendimento do atleta transforma-se em mercadoria e é trocado comercialmente pelo equivalente universal", diz Rigauer (1969: 58). Como mercadoria, a força de trabalho do atleta pode ser medida quantitativamente, ou, melhor dizendo, duplamente calculada: por um lado "o atleta incorpora (...) um valor abstrato determinado", por outro, tem sua capacidade de rendimento quantificada, o que esconderia os aspectos qualitativos do humano (Rigauer 1969: 59ss.). "A redução da força de trabalho à forma mercadoria, abstrata e quantificada, [implica] na concreta reificação da ação humana. As relações humanas baseadas na troca de mercadorias coisificam-se na forma de objetos mensuráveis e formalizados." (Rigauer 1969: 61). À reificação de do rendimento esportivo corresponderia o trabalho alienado, no qual o trabalhador domina apenas uma parte do processo de produção (Rigauer 1979: 141).

No esporte de rendimento as marcas de tal alienação seriam visíveis no caso de uma modalidade esportiva que regride para a execução de gestos altamente especializados e parciais ou quando métodos racionalizados de treinamento são empregados. Um exemplo é o treinamento intervalado, que exige do atleta a repetição incessante do mesmo movimento, fixado e isolado como tarefa parcial a ser executada (Rigauer 1969: 63).

A mercadorização do esporte significa, evidentemente, que não apenas ao rendimento do atleta agrega-se valor tornando-o comercializável, mas também que um sem-número de produtos esportivos entram na esfera da circulação no âmbito da indústria do tempo livre (Rigauer 1979, 1992). Segundo Rigauer (1979), teríamos hoje, no esporte, um comportamento determinado esteticamente pela mercadoria.

Vale lembrar ainda, antes de passarmos aos posicionamentos críticos às interpretações da Nova Esquerda a respeito do esporte, uma questão apontada algumas páginas atrás. A reificação do corpo não se efetivaria apenas na forma mercadoria, mas na equiparação dele com a maquinaria e, associada a ela, pelo tipo de análise que a ciência tradicional. Em vários textos Rigauer (1979) e Brohm (1976; 1989) reforçam essa questão ao se remetem a um pequeno texto de Horkheimer e Adorno (1997), presente em Dialética do esclarecimento, no qual os frankfurtianos falam da possibilidade de uma leitura meta-histórica a partir da dimensão corporal e dos processos que a vitimam e dilaceram, configurando o que chamam - cruzando Freud e Marx por meio de Nietzsche - um amor-ódio pelo corpo. Compõe esse mesmo quadro a crítica ao esporte como disciplinador da sexualidade, idéia exposta principalmente por Vinnai (1970) e Brohm (1989): "De uma forma geral, o esporte não é mais do que a perversão sistemática do instinto agonístico lúdico em favor da competição. Ele é a teoria e a prática experimentais, por assim dizer, da competição individual." (Brohm 1976: 20).

4. Críticas à teoria do esporte da Nova Esquerda
Não foram poucas as polêmicas em torno da crítica ao esporte empreendida pela Nova Esquerda. Elas foram variadas, mas podem ser entendidas como provenientes de três registros:

1. norte-americanos como Richard Gruneau, radicado, em parte, na Teoria da Hegemonia sobre o esporte;
2. o discurso oficial esportivo e olímpico na Alemanha, no qual Hans Lenk (Professor de Filosofia e campeão olímpico de remo) se destaca;
3. teóricos ligados à Sociologia Figuracional de Norbert Elias, principalmente Eric Dunning.

Segundo Richard Gruneau, as assertivas de Rigauer, Vinnai e Brohm podem ser politicamente muito engajadas, mas são teoricamente frágeis. Ele destaca que os teóricos da Nova Esquerda não levaram em conta aspectos importantes da Escola de Frankfurt ao tomarem-na como paradigma de suas análises. Salienta, por exemplo, as reflexões de Adorno no campo estético, em especial sua relação com a Vanguarda, ignoradas pela Teoria Crítica do Esporte. Além disso, as críticas da Nova Esquerda não estariam dirigidas diretamente ao capitalismo, como se imaginava, mas, no contexto da contracultura, à modernidade: "A fonte de sua revolta nunca foi de fato o capitalismo, ou mesmo o establishment autoritário e tecnocrático - foi a modernidade em si mesma. (...) O esporte moderno, como as sociedades modernas, eram intrinsecamente totalitários." (Gruneau 1993: 95).

Hans Lenk (1973: 85), por sua vez, contrapõe-se decisivamente à tese da alienação no esporte. Segundo ele, "o rendimento esportivo não pode ser compreendido como trabalho compulsório, nem como uma forma desumana de rotina e nem mesmo como trabalho ‘alienado’ no sentido que Marx atribui ao termo." (Lenk 1973: 86). Esporte e trabalho teriam diferenças claras, já que o primeiro seria puro jogo e não atividade compulsória. Além disso, a preparação para o rendimento esportivo seria um exemplo de autonomia, de atividade "libidinal" (Lenk 1973).

"O rendimento esportivo não é obtido por meio de pressão rigorosa, nem é vivido como tal, mas corresponde e alto grau aos interesses e capacidades dos atletas. O esportista não se relaciona de forma "alienada" com seu desempenho. Este, por sua vez, não é vivido como carga ou obrigação, mas como livre escolha. Sob plena disposição pessoal o rendimento procurado é valorizado positivamente, tanto do ponto de vista emocional quanto afetivo, demarcando-se como um verdadeiro "gozo"." (Lenk 1973: 89).

Para Lenk (1973) não seriam plausíveis as teses da manipulação e da adaptação subalterna às normas do trabalho no contexto do rendimento esportivo. O conceito de trabalho empregado por Rigauer seria, além disso, muito geral e só assim se lhe tornaria possível observas apenas as semelhanças, mas não as diferenças, entre este e esporte.

Embora não seja freqüente o debate entre a Teoria Crítica do Esporte e a Sociologia das Configurações, encontramos algumas considerações de Norbert Elias e Eric Dunning a respeito de Rigauer, Brohm e outros. As críticas se concentram em três pontos principais:
1. Seria uma simplificação colocar Revolução Industrial e esporte numa relação causal (Elias 1984; Dunning 1992, 1999). Para Dunning (1999), os aspectos econômicos do fenômeno estariam por demais acentuados na Teoria Crítica do Esporte. As transformações sociais, das quais o esporte seria fruto, teriam nascido de uma combinação de aspectos, dentro dos quais tanto desenvolvimentos políticos quanto normativos teriam tido um papel muito importante, deixando seus respectivos habitus demarcados. Seria, todavia, uma simplificação procurar a raízes do esporte exclusivamente no contexto do capitalismo.
2. Os sociólogos das configurações aceitariam que, de forma geral e apesar das escassas pesquisas empíricas, o esporte é dominado pela forma mercadoria no contexto do Capital e que haveria uma semelhança estrutural com o trabalho. Não estaria comprovado, no entanto, por que e como a profissionalização e mercadorização dominam o esporte. Esse déficit na abordagem da Teoria Crítica do Esporte teria origem em seu economicismo. (Dunning 1999).
3. Finalmente, as observações de Rigauer e Brohm a respeito da semelhança estrutural entre esporte e trabalho estariam baseadas em uma tautologia, já que o esporte de alto rendimento não seria apenas semelhante ao trabalho, mas sim, factualmente, apenas trabalho. (Dunning 1999).

5. Algumas discussões sobre as críticas
A crítica de Gruenau precisa ser considerada principalmente quando afirma que os teóricos da Nova Esquerda desprezaram vários aspectos da Teoria Crítica da Sociedade da Escola de Frankfurt em seus trabalhos, algo que também foi apontado por Rütten (1988). Eles, de fato, não se ocuparam da vasta contribuição teórica para o campo da Estética desenvolvida principalmente por Adorno. Além disso, grande parte das reflexões epistemológicas que procuram descortinar um olhar tecnológico sobre o corpo - que não o observa em sua condição viva (Das Lebendige), mas como corpo morto -, presentes sobretudo na Dialética do esclarecimento (Horkheimer; Adorno 1997) mas também na Dialética Negativa (Adorno 1997c), foram pouco consideradas. A constelação dialética da qual faz parte o corpo e seu domínio como condição para a forja da subjetividade não foi plenamente considerada pela Nova Esquerda[10].

Por outro lado, a ênfase no caráter de mercadoria do esporte não pode ser vista apenas como economicismo, uma vez que esta é, de fato, uma característica das práticas esportivas sobre a qual poucas teorias se debruçaram, havendo bons argumentos para ela, sobretudo os apontados por Rigauer (1979). Além disso, os teóricos da Nova Esquerda dão conseqüência a um tema central para a Escola de Frankfurt, mais atual do que nunca, que é o da indústria cultural. Vale lembrar Adorno, para o qual, "os estilos espirituais da indústria cultural não são também mercadoria, mas são, cada vez mais, ela mesma." (Adorno 1997d: 338).

Não se pode dizer tão facilmente, como faz Gruenau, que a Teoria Crítica do Esporte fez a crítica à modernidade pensando que a estivesse realizando em direção ao capitalismo. Como já foi citado mais de uma vez, referiam-se também ao socialismo de caserna, cuja fascinação pelo domínio da natureza, pelo rendimento e pela idéia de progresso linear e infinito era mais que presente.

No que se refere a Lenk, suas críticas são hoje pouco defensáveis. De fato Rigauer (1969) empregou um conceito de trabalho muito amplo e talvez pouco preciso em seu livro Sport und Arbeit, algo que ele mesmo corrigiu com a publicação, seis anos depois das críticas de Lenk, em seu livro Warenstrukturelle Bedingungen Leistungssportlichen Handelns (Rigauer 1979). Além disso, em nossa edição de Sport und Arbeit em 1981, Rigauer reconhece a pertinência de algumas das críticas a ele endereçadas por ocasião da primeira versão do livro. Não se trata, desta vez, de uma crítica ao trabalho, mas em sua forma subsumida à lógica da sociedade capitalista.

As observações de Lenk de que não haveria relação entre o esporte de rendimento e a pressão por resultados é pelo menos ingênua, uma vez que em tempos de extrema profissionalização parece estar cada vez mais claro que o controle da performance é em grande parte externo ao atleta, muitas vezes dado pela mediação tecnológica. Vale o resultado e não propriamente o sujeito que o realiza ou, dito de outra forma, a ação e não o ator. Ainda que seja necessário verificar esta questão de maneira empírica, pode haver aí um indício, sim, de trabalho alienado.

Uma outra ponderação que deve ser feita às críticas de Lenk refere-se ao suposto caráter libidinal do treinamento e sua não-condição adaptativa às normas do trabalho. A disciplina exigida no treinamento contemporâneo parece deixar pouca margem para esse tio de assertiva[11].

No que se refere às críticas de Elias e seus seguidores, é correto dizer que o esporte não é apenas um produto da sociedade capitalista, mas uma marca da modernidade, também em sua versão "socialista". A Nova Esquerda não observou de forma mais ampla que o esporte - para além da funcionalização ideológica na Guerra Fria - é uma expressão do domínio da natureza, com todas as suas contradições. Nesse sentido, valeria a pena uma ponderação ao próprio marxismo e sua fascinação pelo progresso. Talvez o esporte seja menos um produto do capitalismo e muito mais de um domínio unilateral da natureza em uma sociedade plenamente administrada.

Mas também é uma simplificação tratar, como Gruenau, de economicismo as análises e comentários de Rigauer e Brohm pelo fato de considerarem o caráter de mercadoria e de alienação no esporte, ou falarem (principalmente o último) em uma semelhança estrutural entre as práticas esportivas e as do trabalho, ainda mais se considerarmos que o pano de fundo das reflexões é o da indústria cultural, tal como Adorno elaborou o conceito.

Elias e Dunning, por outro lado, mostram apenas um conhecimento superficial da tradição marxista[12], talvez insuficiente para o tipo de crítica que elaboram. Segundo Rigauer (2000: 44-45):

"Aqui e agora aparece a questão da precariedade do ponto de vista da Sociologia das Configurações: a Sociologia Marxista envolve determinismo sócio-econômico, um modelo nomotético de desenvolvimento social e o que é chamado de ‘determinismo utópico’ (...) Esse tipo de fixação epistemológica impede o desenvolvimento de uma Sociologia Marxista do Esporte sofisticada."

Uma questão que deve ser bem observada nas críticas de Elias e Dunning diz respeito à relativa falta de material empírico nas pesquisas da Nova Esquerda sobre a forma mercadoria no esporte, ainda que a mera leitura dos jornais nos dê vários indicativos desse processo. Não há dúvidas de que a indústria esportiva é uma das grandes arenas do mercado.

Por outro lado Elias e Dunning jamais consideraram de um ponto de vista estrutural a possível afinidade entre esporte e trabalho, e nem criticaram, de forma imanente, o trabalho de Rigauer, embora conhecessem, pelo menos o segundo, o argumento central que aquele construiu (Elias; Dunning 1993).

Uma última questão, talvez menos importante. Rigauer e Brohm criticam a forma geral da organização do trabalho na sociedade capitalista e por isso o tipo de profissionalização esportiva como uma corrupção do movimento corporal. A tese pode estar equivocada, mas não é tautológica, mas lógica.

6. Atualidade
Permanece a necessidade de seguir o diálogo com a Teoria Crítica do Esporte, que se mantém viva porque as questões que colocou seguem atuais, assim como pelo menos parte de suas indicações de análise. A rigor, algumas tendências do esporte apontadas por esse movimento teórico ganharam ainda mais força no contemporâneo, como a quantificação dos resultados e a redução ao número das qualidades da expressão humana. O amor aos grandes números, aos dados estatísticos que ajudam a compor o espetáculo, assim como uma fascinação sempre presente pelos recordes, ajudam a compor esse quadro, que encontra seu desiderato na comercialização das imagens dos atletas - na TV, nas revistas ilustradas, sempre como modelos de sucesso, beleza e felicidade - ou mesmo como drama pelo qual devemos ter "compaixão".

Além disso, o esporte é hoje muito mais mercadorizado do que há alguns anos, sobretudo por causa do notável crescimento dos meios de comunicação e da indústria do entretenimento. A isso se agrega o fato de que entretenimento, informação e "cultura" misturam-se no mesmo caldo produtivo, sendo o esporte um exemplo marcante deste processo. Lembre-se, por exemplo, da exclusividade da transmissão das partidas do selecionado brasileiro de futebol na Copa do Mundo de 2002 por uma emissora de televisão, que também apresentava parte de seus telejornais da Coréia e do Japão. Qual teria sido a fronteira entre a notícia e o produto que estava sendo vendido?

Gostaria de, por fim, levantar dois pontos que, segundo penso, precisam ser considerados para o desenvolvimento de uma Teoria Crítica do Esporte hoje:

1. A disposição para o pensamento (auto)crítico, tanto no que se refere aos fenômenos empíricos quanto ao que diz respeito ao diálogo com outras perspectivas teóricas sobre o corpo e o esporte. Isso pode trazer não apenas abordagens renovadas, mas novos temas e problemáticas de investigação. Um bom exemplo desse esforço tem sido feito por König (2000) e suas aproximações entre Adorno/Horkheimer e Paul Virilio.

2. Seria necessário fazer uma nova visita, mais profunda e menos parcial, aos textos da Escola de Frankfurt, considerando não apenas aqueles que tratam do esporte como tema, mas observando sua constituição teórica como um todo, de crítica à sociedade contemporânea. Seria possível, com isso, por exemplo, pesquisar sobre a fungibilidade dos atletas e de seu rendimento, não apenas como mercadoria - e suas novas configurações flexíveis - mas também como auto-sacrifício do corpo[13].

Referências bibliográficas

ADORNO, Theodor Wiesegrund. 1997a. "Keine Angst vor dem Elfenbeinturm". In: Gesammelte Schriften 20-1. Frankfurt am Main: Suhrkamp: 402-409.

__________________________. 1997b. "Veblens Angriff auf die Kultur". In: Gesammelte Schriften 10-1. Frankfurt am Main: Suhrkamp: 72-96.

__________________________. 1997c. Negative Dialektik. Gesammelte Schriften 6. Frankfurt am Main: Suhrkamp.

__________________________. 1997d. "Résumé über Kulturindustrie". In: Gesammelte Schriften 10-1. Frankfurt am Main: Suhrkamp: 337-345.

BRACHT, Valter. 2003. Sociologia Crítica do esporte: uma introdução. Ijuí: Unijuí.2.ed. 2003.

BROHM, Jean-Marie. 1976. "Sociologie politique du sport". In : BERTHAUDE, G. e col. Sport, culture et répression. Paris: FM: 16-31.

_________________. 1989. Sport. A Prison of Measured Time. Worcester: Pluto.

DUNNING, Eric. 1992. "Die Dynamik des Sportkonsums". In: R. HORAK; O. PENZ. Sport. Kult & Kommerz. Wien: Verlag für Gesellschaftskritik: 203-221.

_____________. 1999. Sport Matters. Sociological Studies of Sport, Violence and Civilization. London und New York: Routledge.

ELIAS, Norbert. 1984. "Die Genese des Sports als soziologisches Problem". In: ______.; E. DUNNING. Sport im Zivilisationsprozess. Münster: Lit: 9-46.

_____________. e LEPENIES, Wolf. 1977. Zwei Reden anlässlich der Verleihung des Theodor W. Adorno-Preises 1977. Frankfurt am Main: Suhrkamp.

_____________. e DUNNING, Eric. 1993. Quest for Excitement: Sport and Leisure in the Civilizing Process. Oxford: Blackwell.

GAY, Peter. 1984. The Bourgeois Experience : Victoria to Freud. New York: W. W. Norton.

GRUENAU, Richard. 1993. "The Critique of Sport in Modernity: Theorising Power, Culture, and the Politics of Body". In: E. DUNNING; J. A. MAGUIRE; R. A. PEARTON (org.) The Sports Process. A Comparative and Developmental Approach. Champaign, IL: Human Kinetics: 85-109.

HABERMAS, Jürgen. 1967. "Soziologische Notizen zum Verhältnis von Arbeit und Freizeit". In: H. PLESSNER; H-E. BOCK; O. GRUPPE. Sport und Leibeserziehung. München: Piper & Co.: 28-46.

HOBERMAN, John. 1992. Mortal Engenies - The Science of Performance and the Dehumanisation of Sport. New York: Free Press.

KÖNIG, Eugen. 2000. "Sport und Tod. Philosophische Reflexionen über anthropofugalen Sport". In: B. RÄNSCH-TRILL. Natürlichkeit und Künstlichkeit. Philosophische Diskussionsgrundlagen zum Problem der Körper-Inszenierung. Hamburg: Czwalina: 89-97.

LENK, Hans. 1973. " ‘Manipulation’ oder ‘Emanzipation’ Im Leistungssport? Die Entfremdungsthese und das Selbst des Athleten". In: H. LENK; S. MOSER; E. BEYER (org.). Philosophie des Sports. Schorndorf: Karl Hofmann: 67-108.

MORGAN, Willian. J. 1988. "Adorno on Sport: The Case of the Fractured Dialectic". In: Theory and Society. Vol. 17:813-838.

_________________. 1994. Leftist Theories of Sport. A critique and Reconstruction. Urbana und Chicago: University of Illinois.

RIGAUER, Bero. 1969. Sport und Arbeit. Frankfurt am Main: Suhrkamp.

______________. 1979. Warenstrukturelle Bedingungen Leistungssportlichen Handelns. Mörfelden: Andreas Achenbach Lollar.

______________. 1981. Sport und Arbeit. Münster: Lit. 2. ed..

______________. 1992. "Sportindustrie. Soziologische Betrachtungen über das Verschwinden des Sports in der Markt- und Warenwelt". In: R. HORAK; O. PENZ. Sport. Kult & Kommerz. Wien: Verl. für Gesellschaftskritik: 185- 201.

______________. 2000. "Marxist Theories". In: J. COAKLEY; E. DUNNING. Handbook of Sports Studies. London: Sage: 28-47.

RISSE, Heinz. Soziologie des Sports. 1979. Münster: Atalas.

RÜTTEN, Alfred. 1988. Sport - Ideologie - Kritische Theorie. Etappen einer unglücklichen Liebe. Frankfurt am Main: Peter Lang.

SCHMOLINSKY, Gerhard. (org.). 1977. Leichtathletik. Berlin: Sportverlag.

VAZ, Alexandre Fernandez. 1999. "Treinar o Corpo, dominar a Natureza: notas para uma análise do esporte a partir do treinamento corporal". Cadernos Cedes. Campinas, n. 48: 89-108.

______________________. 2000. "Na constelação da destrutividade: o tema do esporte em Theodor W. Adorno e Max Horkheimer". Motus Corporis, Rio de Janeiro, v.7, n.1: 65-108.

______________________. 2001. "Técnica, Esporte, Rendimento". Revista Movimento. Porto Alegre, v. VII: 87-99.

______________________. 2002. "DaMatta: o futebol como drama e mitologia". In: M. PRONI; R. LUCENA (org.). Esporte, história, sociedade. Campinas: Autores Associados: 139-164.

______________________. 2005. Sport und Sportkritik im Kultur- und Zivilisationsprozess: Analysen nach Adorno & Horkheimer, Elias und DaMatta. Frankfurt am Main: Afra. 2. ed.

VINNAI, Gerhard. 1970. Fußballsport als Ideologie. Frankfurt am Main, Europäische Verlagsanstalt.

_______________ . 1974. El fútbol como ideología. Mexico D.F./Madrid: Siglo Veintiuno.

_______________ . 1979. "Nachtrag 1979 zu Fußball als Verdoppelung der Arbeitswelt". In: HOPF, W. (Org.). Fußball. Soziologie und Sozialgesichte einer populären Sportart. Bensheim: Päd-Extra-Buchverlag: 200-201.

Sobre o autor

Alexandre Fernandez VAZ é doutor pela Universidade de Hannover, Alemanha e Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq (Nível 2 - Fundamentos da Educação). Professor do Programa de Pós-graduação em Educação da UFSC, onde colabora também com os Programas de Pós-graduação em Educação Física e Interdisciplinar em Ciências Humanas. É coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisas Educação e Sociedade Contemporânea (CED/UFSC/CNPq). É autor do livro Sport und Sportkritik im Kultur- und Zivilisationsprozess: Analysen nach Adorno & Horkheimer, Elias und DaMatta, publicado pela Editora Afra, de Frankfurt, em Segunda edição, entre outros trabalhos publicados na América do Sul e na Europa.
alexfvaz@uol.com.br

Notas

1.O trabalho é resultado parcial do projeto Teoria Crítica, Racionalidades e Educação, financiado pelo CNPq, pela FAPESC e pela CAPES (Auxílio Pesquisa, Bolsa de Produtividade em Pesquisa, Bolsas de Doutorado, Mestrado, Iniciação Científica, Iniciação Científica Júnior). Uma versão anterior deste trabalho foi apresentada na 27a Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS), em 2003. Agradeço a Roberto DaMatta, Eduardo Archetti (in memorian), Édison Luiz Gastaldo, José Jairo Vieira, Pablo Alabarces, Luiz Henrique Toledo, Simoni Lahud Guedes, Letícia Vidor, Simone Vassalo e Ronaldo Helal, a acolhida e os comentários críticos e encorajadores.

2. O que está sendo chamado em bloco de Teoria Crítica do Esporte é, na verdade, um conjunto amplo e multifacetado de contribuições teóricas que, como freqüentemente acontece, é bastante desigual. Os limites desse trabalho não permitem uma perscrutação completa, uma exegese de cada texto.

3. Todas as traduções de trabalhos em francês, inglês e alemão são de minha responsabilidade.

4. Além do exemplo muito próximo do atual Governo Brasileiro e da Prefeitura de São Paulo, podemos também citar a primeira experiência do Partido Comunista em um governo francês, quando, no gabinete de Leonel Juspin, ocupou, justamente, o Ministério do Esporte e da Juventude.

5. O ensaio de Adorno é citado nos segintes trabalhos da Nova Esquerda: Rigauer (1969, p. 24; 1979, p. 158; 1992, p. 193, 198-199); Vinnai (1979, p. 24); Brohm (1989, p. 56).

6. Pertencem também ao espectro da Nova Esquerda os teóricos que se orientam pela Toeria da Hegemonia. Nos marcos desse trabalho referimo-nos apenas à Teoria Crítica do Esporte de orientação mais decisivamente frankfurtiana. Sobre o tema consultar o trabalho de Morgan (1994).

7. Colsulte-se sobre o tema os trabalhos de Rütten (1988) e Morgan (1988).

8. Sobre a Teoria Crítica do Esporte podem ser lidos, no contexto brasileiro, os trabalhos de Bracht (2003) e o de Vaz (2001).

9. Ocupei-me dos trabalhos de Roberto DaMatta sobre o esporte em Vaz (2002, 2005).

10. Fiz algumas tentativas nesta direção, especialmente no que se refere ao treinamento corporal (VAZ, 1999; 2000; 2005).

11. Vale conferir o livro de Peter Gay (1984), no qual fica demonstrado o papel do esporte nos processos de disciplinarização da sexualidade.

12. Veja-se, por exemplo, o discurso de Elias (1977) quando lhe foi concedido o Prêmio Adorno pela cidade de Frankfurt.

13. Essa tem sido uma preocupação de um conjunto de investigações integradas que temos desenvolvido no Núcleo de Estudos e Pesquisas Educação e Sociedade Contemporânea.